Movimento dos Trabalhadores em Arquitectura

PODCAST DOS TRABALHADORES EM ARQUITECTURA

No início do ano, em Janeiro, o Movimento dos Trabalhadores em Arquitectura criou uma comissão para a expansão do movimento ao território nacional, que previa a realização de reuniões em diferentes cidades do país. Perante a impossibilidade de realizar eventos durante a crise pandémica – ainda que com a consciência da impossibilidade de substituir esse contacto – o movimento adiou esses eventos e criou o seu podcast, mantendo e promovendo contatos com novos elementos, fomentando a discussão sobre temas cruciais ao trabalho em arquitetura.

Focado nas condições de produção em arquitectura através da óptica, raramente apresentada, dos seus trabalhadores, o Podcast dos Trabalhadores em Arquitectura assume-se como veículo de difusão e aprofundamento da discussão em curso no Movimento, complementando a sua acção e promovendo novos momentos de reflexão, esclarecimento e solidariedade entre todos os trabalhadores. Através de uma perspectiva multi-disciplinar procura dissecar os mecanismos e actores envolvidos na prática da arquitectura, trazendo para debate questões eclipsadas por um discurso dominante em que o objecto final secundariza as condições em que este é produzido.

SINOPSE DOS EPISÓDIOS

Episódio 3 – Discriminação e Precariedade - Entrevista com Fátima Messias

Passados 110 anos do primeiro dia internacional da mulher, as reivindicações das trabalhadoras na defesa dos seus direitos continuam actuais.

Assinalamos este dia de luta, com o lançamento do terceiro episódio do Podcast dos Trabalhadores em Arquitectura, onde abordamos de que forma a discriminação em contexto laboral é um sintoma da deterioração estrutural das condições de trabalho, da impunidade e da desconsideração das leis laborais, sendo também reflexo directo das diversas formas de discriminação e preconceitos que subsistem na sociedade. Através da experiência sindical da nossa convidada Fátima Messias, procuramos compreender como pode a mobilização dos trabalhadores inverter estes processos e garantir o cumprimento da lei.

Fátima Messias é responsável pela comissão de igualdade entre mulheres e homens da CGTP-IN e membro da Comissão Executiva do Conselho Nacional da mesma central sindical. É dirigente da Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (FEVICCOM) e da União dos Sindicatos de Lisboa.

Episódio 2 – Intervenção Sindical - Entrevista com o Prof. Doutor João Leal Amado

Centrando-se nos nossos direitos laborais, na sua origem e na análise das razões pelas quais tantas vezes estes nos são recusados – e às quais não será alheio este processo de proletarização abordado no primeiro episódio, várias vezes referido também nesta conversa –, convidámos o Prof. Doutor João Leal Amado para descobrirmos a origem do Direito do Trabalho e, acima de tudo, perceber de que forma uma organização de trabalhadores pode ter um papel determinante na sua aplicação e evolução.

João Leal Amado é jurista e professor associado, regente de Direito de Trabalho, da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é presidente da Direcção da Associação de Estudos Laborais e vice-presidente da Direcção do Instituto de Direito das Empresas e do Trabalho, membro de várias associações ligadas ao direito do trabalho, é redactor da Revista de Legislação e Jurisprudência e autor, entre muitas outras obras, do livro “Contrato de Trabalho”, editado pela Coimbra Editora.

Episódio 1 - Caracterização da Profissão - Entrevista com Alfredo Campos

Alfredo Campos é sociólogo e investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e autor do inquérito lançado em Maio de 2019, dirigido aos profissionais da arquitectura, produzido no âmbito da sua tese de doutoramento "Trabalho, Poder e Precariedade: das relações de trabalho em emprego das profissões qualificadas". Convidámo-lo para conversar connosco, para nos ajudar a compreender melhor as alterações profundas que vêm marcando o exercício da profissão de arquitecto, explorando o confronto existente entre as dimensões liberal e assalariada da profissão, as lógicas de subordinação, a introdução de tarefas rotineiras no exercício da arquitectura, a generalizada estagnação da carreira, entre outros temas que, no fundo, parecem ser consequência de um processo de desprofissionalização e proletarização da Arquitectura.